Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2020

Tudo posso... posso?

Imagem
Assim como já contei por aqui, há aproximadamente 15 anos eu entrava, pela primeira vez em um avião, tendo como destino a Espanha. Ali, eu faria um intercâmbio de um semestre na Universidade de Sevilha e, além dos estudos, o meu maior objetivo na Europa era o de fazer um estágio acadêmico, o qual, na minha concepção, poderia ser um grande salto na minha futura carreira profissional.             Como havia um convênio entre as universidades, a instituição espanhola não me cobrou pelos estudos, mas, eu deveria arcar com todos os demais custos do intercâmbio; mesmo porque, naquela época o programa Ciência sem Fronteiras ainda não existia (não que ele ainda exista hoje). Por isso, eu vendi algumas coisas que possuía e contei com ajuda da família para levantar o dinheiro para o voo, estadia e outras despesas daquele período.             No entanto, como era de se esperar, o dinheiro que eu levara comigo não foi suficiente para todo o tempo que eu planejava ficar por lá - lembrando que,

Bom trabalho, amigo!

Imagem
Depois de alguns meses sem viajar para nenhum lugar, devido à pandemia, Marida e eu resolvemos passar um final de semana na região de Fredericksburg, cidade texana fundada por imigrantes alemães e que é bem conhecida pelas belas paisagens campestres e também pela grande quantidade de vinícolas em seu entorno. A ideia era, então, dirigirmos as já esperadas quatro horas e levar conosco as compras para que pudéssemos, portanto, cozinhar ali todos os dias de nossa estadia. Como queríamos manter o protocolo de isolamento social, hospedamo-nos em uma casa em um minúsculo vilarejo chamado Tow, o qual possui não mais do que dez casas e fica às margens de um belo lago da região. Deste lago saía um pequeno córrego que dava de fundos para a nossa estadia. Ali podíamos sentar-nos no final de tarde e assistir ao pôr do sol. Na outra margem do córrego havia uma pequena mata, com um amontado de árvores que aparentavam ser eucaliptos. Dessa pequena mata, em um dos dias que ficamos ali do lado de for