Postagens

Entrevista blog de tecnologia

O meu grande amigo Michele Nasti, o qual já citei em um outro texto , possui um blog sobre tecnologia, no qual recentemente publicou uma entrevista comigo. Conversamos sobre carreira na área de TI e também a minha experiência enquanto deficiente visual. Portanto, o objetivo deste artigo aqui é referenciar a sua publicação. O blog é, majoritalmente, escrito em italiano, mas a entrevista comigo está em inglês. Você pode acessar a versão original aqui , e caso queira conferir a versão traduzida para o português, este é o link. Weber Amaral Clique  aqui  para seguir o roteiro de leitura dos textos do Dislexia Visual sugerido pelo autor.

O som da metamorfose

Imagem
  Há algumas semanas, assistimos ao filme O som do silêncio ( Sound of metal ). O longa-metragem conta, de uma forma muito particular e impressionante, a história de Ruben Stone, um baterista de uma banda de heavy metal que subitamente perde a audição. O personagem então passa por vários estágios durante e após a sua desagradável descoberta. O filme mostra várias cenas em primeira pessoa, o que faz a audiência sentir na pele as sensações angustiantes e extremamente desafiadoras de um deficiente auditivo. De certa forma, a principal mensagem que o filme transmite é algo que já conversamos por aqui , ou seja, que a deficiência não é algo a ser “consertado”. Independentemente de este assunto me ser muito relevante, eu acredito que este tenha sido um dos melhores filmes que assisti nos últimos tempos, por isso, recomendo demais. Aliás, aproveito para deixar aqui o agradecimento aos amigos Hermano e Maurien pela indicação. Entretanto, como este não é um blog de críticas cinematográficas,

Dicas para interagir com um deficiente visual

Imagem
Caso você acompanhe este blog com alguma regularidade, sabe muito bem que os textos aqui publicados são bem anedóticos e, de certa forma, lúdicos. Ou seja, listas não são muito do meu feitio. Porém, eu acho bastante pertinente compartilhar esse tipo de informação, a qual eu creio que também é um espelho da minha realidade e traduz um pouco da minha perspectiva de mundo. Eu vou tentar criar conexões entre as dicas que vou passar abaixo e os textos que já estão por aqui, o que também colabora caso você queira ter exemplos e reflexões mais aprofundados sobre o que estamos conversando aqui hoje.   Antes de começarmos, vale relembrar a você que me lê agora que, com exceção do Shiryu, que furou os próprios olhos para derrotar a Medusa, nenhum deficiente visual optou pela sua condição e, infelizmente, o mundo à nossa volta não é bem adaptado para a nossa realidade. Ou seja, nós fazemos muitas concessões e estamos constantemente nos reinventando para o mundo que nos rodeia. Por isso, o obj

A meritocracia dos homônimos

Imagem
Eu sempre gostei muito, desde criança, de praticar futebol, mas devo confessar que, caso você jamais tenha me visto em ação, eu sempre fui bem mediano. Dos meus 8 aos 18 anos, mais ou menos, eu disputei vários campeonatos escolares, ligas municipais e até algumas regionais. Nunca brilhei, mas sempre me diverti bastante e, até um certo ponto, jogava em um nível competitivo. No meu time existiam todos os tipos de jogadores: havia os habilidosos, como o Dieguinho, os velozes, como o Weslinho (meu primo), os sérios e engajados, como o Baiano (deus da raça), os aplicados, como o Gui, e os constantes e decisivos, como o Thiago Bodão.  No entanto, de todos eles, o Nilmar sempre foi o jogador mais completo, pois combinava todas as características acima no seu estilo determinado e elegante dentro das quatro linhas. Lembro-me o quão seguro era tê-lo no meu time, já que ele tomava conta da partida e sempre as decidia. Porém, também me recordo o quão aterrorizante era enfrentá-lo durante os trei

A intrusa

Ela chegou ao amanhecer Sem que ao menos fosse convidada A mesa não estava preparada E nada havia para se comer Ela nem sequer pediu licença E por mim a todo tempo buscava Enquanto lá fora o sol raiava Aqui dentro a dor era intensa Clamei a todos: homens, céus e mar Não queria mais melancolia Fiz de tudo para lhe expulsar Mas, teimosa que era, insistia E seguiu-me para todo lugar Trazendo nuvens sombrias ao meio dia Não pude encarar seus efeitos Nem lidar com o desconforto Preferiria eu estar morto? Não! Nesta vida tudo dá-se um jeito Logo, tive que me acostumar Com a vida, a tristeza, a dor Pois, eu sei que para onde eu for Ela irá me acompanhar Agora sobrou o meu cantinho Aqui já quase entardeceu  Então, basta seguir meu caminho E chorar pelo que se perdeu Sei que nunca estarei sozinho Pois, desde a aurora, ela sou eu     Weber Amaral Clique  aqui  para seguir o roteiro de leitura dos textos do Dislexia Visual sugeri

Tudo posso... posso?

Imagem
Assim como já contei por aqui, há aproximadamente 15 anos eu entrava, pela primeira vez em um avião, tendo como destino a Espanha. Ali, eu faria um intercâmbio de um semestre na Universidade de Sevilha e, além dos estudos, o meu maior objetivo na Europa era o de fazer um estágio acadêmico, o qual, na minha concepção, poderia ser um grande salto na minha futura carreira profissional.             Como havia um convênio entre as universidades, a instituição espanhola não me cobrou pelos estudos, mas, eu deveria arcar com todos os demais custos do intercâmbio; mesmo porque, naquela época o programa Ciência sem Fronteiras ainda não existia (não que ele ainda exista hoje). Por isso, eu vendi algumas coisas que possuía e contei com ajuda da família para levantar o dinheiro para o voo, estadia e outras despesas daquele período.             No entanto, como era de se esperar, o dinheiro que eu levara comigo não foi suficiente para todo o tempo que eu planejava ficar por lá - lembrando que,

Bom trabalho, amigo!

Imagem
Depois de alguns meses sem viajar para nenhum lugar, devido à pandemia, Marida e eu resolvemos passar um final de semana na região de Fredericksburg, cidade texana fundada por imigrantes alemães e que é bem conhecida pelas belas paisagens campestres e também pela grande quantidade de vinícolas em seu entorno. A ideia era, então, dirigirmos as já esperadas quatro horas e levar conosco as compras para que pudéssemos, portanto, cozinhar ali todos os dias de nossa estadia. Como queríamos manter o protocolo de isolamento social, hospedamo-nos em uma casa em um minúsculo vilarejo chamado Tow, o qual possui não mais do que dez casas e fica às margens de um belo lago da região. Deste lago saía um pequeno córrego que dava de fundos para a nossa estadia. Ali podíamos sentar-nos no final de tarde e assistir ao pôr do sol. Na outra margem do córrego havia uma pequena mata, com um amontado de árvores que aparentavam ser eucaliptos. Dessa pequena mata, em um dos dias que ficamos ali do lado de for