Melhores livros de 2021

Sempre tive a noção de que os livros   são a melhor forma de absorvermos conhecimentos diversos e de nos tornarmos seres mais críticos a respeito do mundo que nos rodeia. Mas ultimamente tenho aprenddido que além disso, eles também são a mídia mais acessível a todos nós, inclusive a deficientes visuais, e Obviamente isso se deve aos avanços tecnológicos da nossa era. Dessa forma, sou muito grato por hoje ter acesso a toda essa vasta literatura diante de meus olhos (ou ouvidos), e gostaria então de aproveitar o clima de final de ano e deixar aqui a lista dos livros que mais me agradaram em 2021. Não me refiro a obras lançadas neste período, afinal não tenho como acompanhar este fluxo enorme, mas sim àquelas que eu li, ou reli depois de adulto, nestes últimos 12 meses.

Foto de rosto Weber segurando o livro Sapiens, de Yuval Harrari em uma mão e A revolução dos bichos e 1984 na outra.

Apesar de também ter me debruçado sobre uma ótima literatura técnica ou teórica, como Sapiens, de Yuval Harrari, e Deus, um delírio, de Richard Dawkins, a lista abaixo somente abordará ficções. Além disso, vale ressaltar que embora tenha visitado mais de um livro de alguns autores, tais como Orwell, Saramago e Garcia Marquez, enumerarei somente um romance por escritor, porém não deixarei de citar uma segunda obra quando achar pertinente.

Bem, vamos à minha lista de melhores livros de 2021.

 

1. Macunaíma – Mário de Andrade

Uma obra que me DIVERTIU demais com as travessuras e enganações promovidas pelo herói da gente, que se apresenta como um personagem sem caráter (não confundir com mau caráter). Macunaíma fala diretamente ao coração do brasileiro e indaga sobre a nossa identidade como povo, com nossas contradições históricas, a diversidade da nossa formação étnica e do nosso jeito de nos relacionarmos com pessoas, a natureza e a cidade. É um livro de crítica intensa e que certamente entrou para o meu rol de favoritos

Muita saúva e pouca saúde, os problemas do Brasil são!”- Mário de Andrade

 

2. Cem anos de Solidão – Gabriel Garcia Marquez

(Cien años de soledad) Trata-se de um romance escrito com o coração e com a alma deste gênio da literatura mundial. É uma história emocionante e dinâmica, na qual o autor não deixa de narrar acontecimentos em nenhum parágrafo sequer. De uma forma orgânica e fluída, Garcia Marquez fala sobre família, conservação histórica e, principalmente, nostalgia. Também li Memórias de mis putas tristes, que é um bom livro, mas foi quando terminei Cem anos de solidão que tive vontade de me levantar eaplaudir bem forte. Só não o fiz por serem 3h da manhã e achei que   a Marida não iria gostar de acordar ao som das minhas palmas. 

El mundo tendrá acabado de joderse cuando la gente viaje de primera clase y la literatura en el vagón de carga!”- Gabriel Gacia Marquez

 

3. O sol é para todos – Harper Lee

(To kill a mocking bird) Um livro que se passa no começo do século XX em uma cidade fictícia do sul do Estados Unidos e aborda um dos maiores problemas e dores dessa sociedade. Apesar de ser um assunto que ainda nos dias de hoje reflete uma grande ferida aberta, Harper Lee mostra todos os acontecimentos apartir da visão inocente e corajosa de uma menina de sete anos de idade. Por fim, A AUTORA mostra que sim precisamos de mudança nas nossas comunidades, no entanto aparentemente nunca evoluímos o suficiente.

There is only one type of folks: folks!”- Harper Lee

 

4. A revolução dos bichos – George Orwell

(Animal farm) Posso dizer que gostei tanto deste livro quanto do outro grande clássico deste autor britânico, 1984. No entanto, embora ambos possuam uma temática muito parecida, A revolução dos bichos apresenta o assunto de uma forma fabulosa, pois faz uma alegoria a regimes AUTORITÁRIOS através de uma fazenda repleta de animais, com suas características únicas e pertinentes a cada uma das espécies daquela comunidade rural.  Dessa forma, recomendo a leitura de ambos os livros.

All animals are equal, but some are more equal than others.”- George Orwell

 

5. O ensaio sobre a cegueira – José Saramago

Este é um livro que me fez pensar e refletir demais sobre a vida, tanto que já escrevi um texto aqui no blog sobre ele. Saramago também compôs O ensaio sobre a lucidez, que igualmente vale muito a leitura e que segue o mesmo estilo arrojado do escritor português, mas que, no meu ponto de vista, não possui a mesma genealidade e complexidade existentes no primeiro.

A cegueira também é isso. Viver em um mundo sem esperança. O medo cega!”- José Saramago

 

6. Fahrenheit 451 – Ray Bradbury  

Em um futuro não muito distante, uma sociedade capaz de criar grandes inovações tecnológicas se especializou em fazer as pessoas felizes a todo custo. Por isso, antigas profissões não são mais responsáveis por proteger o cidadão de desastres naturais, mas sim, dele mesmo. É um livro genial e que nos faz refletir sobre felicidade e conhecimento.

“‘The books are to remind us what asses and fools we are.” - Ray Bradbury

 

7. Ao farol – Virginia Woolf

(To the lighthouse) Um livro diferente de tudo que já li na vida. Poquíssimos fatos são narrados, contudo muita coisa acontece dentro da mente dos muitos personagens deste romance melancólico, poético e intrigante ao extremo. A maneira com a qual a autora retrata cada linha de pensamento e como de fato nós organizamos nossas ideias é simplesmente genial. Não se trata de uma obra fácil à primeira vista, porém se torna muito fluídA à medida que a história vai sendo narrada. 

“I am drowning, my dear, in seas of fire.” – Virginia Woolf

 

8. O admirável mundo novo – Aldus Huxley

(Brave new world) Neste clássico da literatura, , uma realidade distópica é apresentada através de uma sociedade ultra consumista e de forte influência do fordismo, que inclusive baseia a própria concepção da vida humana. Em um mundo no qual tudo é descartável e não existem relações pessoais sinceras, alguns indivíduos se demonstram subvertidos à ordem estabelecida e buscam respostas para as suas indagações internas. É um livro espetacular!

Ending is better than mending!” – Aldus Huxley

 

9. O alienista e outros contos – Machado de Assis

Saindo um pouco dos grandes clássicos Dom Casmurro e Memórias póstumas de Brás Cubas, O Alienista apresenta histórias intrigantes, reflexivas e nas quais Machado de Assis mostra a razão de ser considerado o maior gênio da literatura brasileira de todos os tempos. Alguns contos tem um ar jocoso e apresentam uma sociedade brasileira do século XIX de uma forma muito crítica e única.

A loucura, objeto dos meus estudos, era até agora uma ilha perdida no oceano da razao. Começo a suspeitar que é um continente.”- Machado de Assis

 

10. Frankenstein – Mary Shalley

Um monstro com características humanas é criado pelo Doutor Frankenstein e inicia uma busca pela sua própria identidade. O livro apresenta o surgimento de uma personalidade e como o protagonista toma consciência da sua própria existência. É um romance dramático que fala de empatia e como todos nós só queremos ser aceitos e encontrarmos o nosso lugar no mundo.

“If I cannot inspire love, I will cause fear!”- Mary Shalley

 

Bônus: O pequeno príncipe – Antoine de Saint-Exupérry

(Le petit prince)Simplesmente um dos livros mais fantásticos já compostos na história da literatura mundial. Não importa qual a sua idade, formação, gênero ou posição ideológica, esta obra certamente lhe ensinará a desconstruir seus prórpios conceitos e enxergar o mundo de uma forma mais humana e inocente.

Tu deviens responsable pour toujours de ce que tu as apprivoisé.” – Antoine de Saint-Exupérry

 

Logicamente, coloco esta listagem aqui por estes serem os livros que mais me agradaram durante o ano, e por isso os recomendo. Entretanto, não posso garantir que você também terá o mesmo interesse por esse tipo de literatura. A minha maior sugestão é que você busque o estilo de obra que mais lhe agrade e aproveite o privilégio de poder ler.

A leitura tem o poder de transformar a vida humana em algo inimaginável.

 

Weber Amaral

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A arte de reaprender

O jogo fácil da vida

O pecado do conservadorismo

As chaves da independência

O menino estrábico