A arte de reaprender

Em outubro de 2014, um dia após às eleições presidenciais, as quais tinham deixado um clima muito tenso espalhado pelo país, recebi uma ligação de colegas que trabalhavam nos Estados Unidos me me oferecendo a popotunidade de entrar em um processo selectivo para uma vaga no país norte-americano.. Procurei me informar ao máximo sobre a posição e prometi retornar em breve om a minha decisão de me candidatar ou não. No mesmo momento, liguei para a Marida e lhe contei sobre a popotunidade.e afirmei que eu gostaria de tentar, mas que só iria em frente se ela aceitasse ir comigo. Lembro-me que ela estava atarefada no mmomento da ligação com algumas atividades da faculdade e sem muita hesitação, mas também sem acreditar muito que de fatao daria certo, aceitou.

            Depois de um processo que levou em torno de dois meses, , em janeiro de 2015 eu recebi a documentação oficial com a oferta para a minha transferência. Marida não teve muita opção então e seguir em frente com o que havíamos combinado. Casamo-nos então em fevereiro e em maio eu desembarquei no Texas.

Marida ainda tinha que terminar o último ano da faculdade e por issopassamos o o restante do ano de 2015 em países diferentes, apesar de ela ter vindo me visitar algumas vezes durante esse período.

Foi somente em fevereiro de 2016 que a Marida enfim partiu em definitivo para a nossa nova vida no hemisfério norte, mas mas não antes de celebrarmos com muita alegria a sua formatura e ela receber o seu tão almejado diploma de bióloga.

Uma vez que chegamos aqui, ela teria um novo grande desafio, aprender inglês. . Sim, apesar de tem um pequno conhecimento na lingua, ela não tinha condição nenhuma de manter um diálogo minimamente decente com alguém daqui.l Já na segunda semana aqui no Texas, ela então ingressou em um curso intensivo e começou os árduos estudos no idioma inglês. Mas, esse processo não foi nada fácil, além disso, para ser bem sincero, ele foi terrivelmente frustante e desencorajador.

Lembro-me das tardes que ela chegava das aulas e se sentia muito mal com o progresso e o quão todo aquele novo idioma e o novo ambiente eram totalmente desconhecidos para ela. Segunda ela cada passo era penosopesado, sua cabeça doía ao entar entender o que professores, colegas de classe e pessoas comuns na rua tentavam falar a ela. além disso, ela sentia um desconforto muito grande em ter deixado suas pesquisas em virologia para trás, seu mestrado e doutorado que já estavam encaminhados e o que ela julgava ser de fato o seu futuro. Parecia que ela havia deixado uma vida de um alto nível intelectual para voltar e reaprener a andar feito um bebê.

Para compraovar isso, lembro-me do dia que ela me disse:

“Eu era uma pessoa inteligente no Brasil, aqui eu não sei nem perguntar as horas direito. Sinto-me uma burra!”

 

Bem, se ao ler as linhas acima você conseguiu se simpatizar com a história da Marida, creio que a continuação deste texto também lhe interessará.

 

            Há cerca de duas semanas passei por mais uma crise na minha visão e uma das inúmeras manchas que tenho cresceu consideravelmente, bloqueando o centro da visão esquerda. considerado então que não vejo nada com o olho direito posso, neste momento dizer que estou cego. Já fui ao médico e temos algumas opções, mas muito invasivas e que requerem muito cuidado neste momento.

            Eu não tenho problema nenhum em afirmar que estou cego neste momento, afinal já estive em situaçòes parecidas em alguns momentos da minha vida. contudo, sabendo a gravidade do caso atual, pode  ser que xaremos o estado temporário para o permanente da cegueira.

Logicamente, é muito ruim não estar enxergando agora, e é muito difícil também não saber ao certo se isso tudo se trata de algo temporário ou definitivo. Mas, além desses pontos mais existenciais e clínicos, eu queria falar hoje sobre o que “sei” fazer sem visão.

Assim como falei no texto Tudo posso...posso? eu sempre me julguei alguém inteligente e capaz, que sabia desenrolar qualquer situação, mas, à medida em que minha visão vai piorando, sigo sentindo o quão difícil é não saber fazer muita coisa.

Com certeza, você notou que este texto aqui está totalmente desformatado e algumas palavras estão coerência e até mesmo com erros ortográficos. Pois é, eu estou escrevendo tudo isso aqui sem enxergar nada. Ou seja, não consigo voltar e revisar aqui que escrevi na linha acima, não posso reler o parágrafo e ver se ele faz sentido e muito menos consigo notar se algum erro de ortografia foi apontado pelo editor de texto. E por que eu não consigo fazer isso?

Se você respondeu “porque voc6 não está vendo nada”, eu quero dizer que seu pensamento é preconceituoso (leia sobre capacitismo aqui no blog), pois cegos podem sim escrever e muito bem diga-se de passagem. Contudo, eu não sei como fazer ainda. e assim como a Marida se sentiu há 5 anos atrás, eu agora sinto-me alguém incapacitado e ignorante.

Porém, assim como a Marida deu a volta por cima, aprendeu inglês quase que perfeitamente e hoje tem uma carreira de sucesso como bióloga aqui nos EUA. eu também vou aprender a fazer as aquilo que precisa ser feito,mesmo que sem a visão.

Espero que me perdoem pelo texto mal escrito, mal revisado (não revisado, para ser honesto), com falta de coerência e coesão. Também relevem as falhas de sintaxe e semântica. e também espero que voltem para reler os próximos textos e ver como eu vou evoluindo na minha escrita, com meus novos desafios.

 

Weber amaral

 

  • Clique aqui para seguir o roteiro de leitura dos textos do Dislexia Visual sugerido pelo autor.

Comentários

  1. “Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como que é meu querido? Você sempre me surpreendendo heim. Abraços.kb

      Excluir
  2. Perfeito. E tudo vai dar certo. O caminho acontece com imprevistos, mas a cada NOVO passo dado vc vai sentir (e acho que já sabe): tudo vai dar certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De um jeito ou de outro tudo dá certo né? é o que dizem por aí. Obrigado pelo apio. Abraços.

      Excluir
  3. Binho, o texto está perfeito, formatação está perfeita, ortografia está perfeita. Semântica está perfeita. Quem dera se a maioria das pessoas escrevessem como você. Meu caro, o principal está dentro de você. Passo longe de imaginar o quão difícil é esse processo, mas sei que você tem tudo pra superar esta fase de novo aprendizado. Vai pra cima com foco, força e fé como você sempre fez! Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu meu querido. Estou me esforçando bastante aqui. Até esse negócio de responder os comentários já está mais avançado que ontem. Cada dia uma nova descoberta. Abraços.

      Excluir
  4. Sua visão está mais clara que a minha!!! Seu olhar para a situação é mais esclarecedor do que muitos. Obrigada por compartilhar. Se é pra frente que se anda o jeito é permanecer com a cabeça em pé e não parar!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado pelo apoio. Visao pode ter esse significado conotativo tambe, e eu sou grato por pelo menos essa visao de mundo e das dificuldades me serem bem claras, seguimos em frente. Abracos

      Excluir
  5. Sinceramente, gostaria muito de te dar um abraço, mas como estamos a alguns quilômetros de distância, aqui vão minhas palavras: você é muito forte e totalmente capaz de passar por qualquer barreira que esteja em seu caminho, tenho certeza disso! Você é uma inspiração para muitos e por mais que você se sinta como se tivesse reaprendendo do zero, saiba que na verdade, nós estamos aprendendo com você. Força, primo! Te amo muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente, gostaria de receber esse abraco agora, hehe. Voce sabe que esta sempre convidada pra vir visitar a gente aqui. Sigo sim aprendendo e o que puder pra frente de conhecimento farei. Beijos e tambem te amo prima.... beijos

      Excluir
  6. Você é um exemplo. Mesmo sem revisão e com pequenos erros ortográficos, seu texto tem uma riqueza imensa de conhecimento e sentimento. É um tapa na cara de uma sociedade como a nossa. Vou voltar sempre pra ler e aprender com você.

    ResponderExcluir
  7. Você é um exemplo. Mesmo sem revisão e com pequenos erros ortográficos, seu texto tem uma riqueza imensa de conhecimento e sentimento. É um tapa na cara de uma sociedade como a nossa. Vou voltar sempre pra ler e aprender com você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Edison. Volte sempre sim. tambem faço parte desta sociedade e tambem levo tapas a cada dia ao tentar entender o quão complexo todas as pessoas são. Temos então a possibilidade de nos ensinarmos e ajudarmos uns aos outros. Por isso é pra frente que se anda e de mãos dadas com nossos irmãos . Um grande abraço e obrigado por tudo.

      Excluir
  8. Quanto tempo, Weber! Tu sempre foi pra cima. Enquanto eu te conhecia - mesmo que superficialmente - sempre via seu humor nos futebolzinho da Chemtech ou no almoço como algo necessário. Deixava o clima mais leve onde estivesse. Naquela época passei por um esgotamento mental muito grande, demorei anos pra me recuperar e ainda digo que estou me recuperando. Seu perfil apareceu num insta que uso pra fazer serviços, cliquei pra ver quem era e tive a grata surpresa. Tu sempre foi um cara muito gente boa com os a sua volta. Esse lado onde olhamos de forma mais introspectiva é um lado realmente cego na sociedade. Sei que deve estar sendo difícil a adaptação. Mas como sempre torci, mesmo que sem trocarmos aquela ideia casual, sempre vou torcer pra que tu fique bem e pessoas assim como tu Também fiquem. Teu texto me fez pensar nessa sensação ruim, que sentimos, quando acabamos em uma situação debilitante. Mas mesmo esses declives da vida, são passageiros, e teremos mais altos e baixos enquanto estivermos compartilhando essa existência semelhante. O importante é: mesmo que nos abatamos por algum momento, que tenhamos força pra nos levantar e seguir em frente.

    Um abraço, mano!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Danilo, muito obrigado meu querido pelas palavras. Fiquei feliz com o teu comentário e pelas lembraças de nossos dias de chemtech, futebol, almoços e tudo mais. Sei que tempos dificeis aconteceram e seguem acontecendo pra gente, mas assim como você falou, vamos tentando levar a vida do jeito mais leve possível e vencendo a cada momento. Espero que esteja tudo bem contigo e quando quiser entrar em contato pra bater um papo, estamos aí. Um grande abraço meu querido.

      Excluir
  9. Edilson Nabhen Filho10 de maio de 2021 13:14

    Caraca Binho, você com certeza é " o cara " que conheci nos estágios da UTFPR! Sempre leve e determinado. Consigo lembrar claramente de como ficava o ambiente quando vc estava perto, alguém sempre estava rindo! Enfim, tive pouco tempo de contato com vc, mas foi o suficiente pra se tornar um cara marcante. Desejo que vc continue, continue sendo vc, pois mesmo em momentos difíceis de entender, vc no fundo sempre terá a própria luz para te iluminar! Um grande abraço Binho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gRANDE pINDUCA, MUITO OBRIGADO PELAS PALVRAS MEU QUERIDO. sEGUIMOS POR AQUI E TENTANDO REAPRENDER A CADA DIA. uM GRADE ABRAÇO E FORÇA AÍ TAMBÉM COM OS DESAFIOS DA VIDA.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Expectativa versus realidade

Bom trabalho, amigo!

Tudo posso... posso?

A intrusa