Entre o lixo e as flores

Era uma quinta-feira de junho (começo do verão) aqui no Texas e eu terminava de me arrumar para sair com o meu amigo Eri para tomar um suco e jogar um papo fora. Quando estava procurando relógio, máscara e carteira, ouvi que o caminhão do lixo estava passando e resolvi colocar, antes de sair, a lata para dentro da nossa garagem, onde ela normalmente fica. Desci as escadas com o habitual cuidado de quem não enxerga quase nada, sentei-me no banco próximo à porta e calcei os tênis. Abri o portão da garagem e fui saindo, mas logo percebi que, apesar de já estarmos próximos dás sete horas, o sol brilhava ostensivamente. Pensei que deveria entrar novamente e pegar os óculos escuros e a filomena para a minha pequena tarefa, mas logo achei que não valeria a pena, pois a caminhada não seria de mais do que cinco metros. Coloquei os olhos fixos no chão da calçada e fui caminhando com muito cuidado em direção à rua. Passei por uma vaga de estacionamento que fica bem de frente com a minha casa e senti as pedras do local através da sola do meu pé. Muito vagarosamente eu cheguei na borda entre a calçada e a rua e fui então andando por ali por mais uns dois metros para chegar a um pequeno jardim que fica bem de frente com a porta principal da minha casa e onde nós e os demais vizinhos colocamos as latas para a coleta semanal. Como por aqui todos esses contêineres são padronizados, a Marida teve uma brilhante ideia de comprarmos um spray de tinta bem reluzente e pintarmos em letras garrafais o nosso número da casa, e isso certamente me ajuda muito para a tarefa em questão.

Ao chegar à primeira lata, t


entei achar a gigante letra pintada nela, mas não a encontrei. Fui, então, para a segunda e tampouco a identifiquei. Fui para a terceira, e depois a quarta, quinta e nada! Comecei a ficar um pouco nervoso por ficar perdido na frente da minha própria casa, parei e dei um respiro bem fundo. Foi quando ouvi que um carro estacionava aparentemente do outro lado da estreita rua. Um homem saiu dali de dentro e disse algo que eu não consegui entender, afinal não tinha ideia se ele estava falando comigo ou não. Ele, então chegou mais próximo e disse:

“Você precisa de alguma ajuda?”

Eu agradeci ao homem e disse que estava buscando qual era a minha lata de lixo. Ele me perguntou como eu sabia qual era a minha e, quando eu fui lhe responder meu pé tocou em algo que parecia uma roda de plástico. Com um esforço descomunal eu consegui enxergar que havia uma lata tombada no pequeno jardim. Eu então levantei o contêiner e consegui ler as letras reluzentes grifadas nele. Agradeci ao homem e disse que eu havia enfim localizado o que eu buscava. Ele se despediu e, com muita gentileza, desejou-me uma boa noite; voltou para o seu carro e depois para a sua casa – para ser sincero eu não tenho certeza de quem se tratava, mas suspeito que era um dos vizinhos que moram de frente a mim.

Peguei a minha lata de lixo e novamente com muito cuidado, fui arrastando-a de volta para a calçada e então para dentro da garagem. Mas quando eu passava pela vaga de estacionamento de pedras, o carro vermelho do Eri chegou e parou logo ali.

“Ou filhinho, tá guardando a lata de lixo é?” - disse o Eri ao sair do carro.

“Estou sim! só vou pegar a Filomena e os óculos escuros e já vamos.”

“Show! eu te ajudo então.” - disse ele usando suas habituais gírias sul-fluminenses.

Quando passávamos da calçada para dentro do pequeno condomínio que habito, duas vozes nos cumprimentaram de forma calorosa. eu tentei ser também simpático e disse “Oi” às duas pessoas. Houve um pequeno silêncio, o qual foi quebrado com eles falando em direção ao Eri:

“Nós somos o Daniel e a Mary, vizinhos do Weber.”

O Eri também se apresentou e tivemos uma rápida conversa (o que o americano chama de small talk). Os vizinhos foram para a sua casa e nós fomos para um bar que ficava perto para comer um taco e conversar um pouco sobre a vida.

Depois que voltei para casa, fiquei pensando no encontro que tive com os vizinhos e o quão rude da minha parte havia sido não os apresentar à visita (Eri). Foi então que decidi, junto com a Marida, escrever um pequeno texto explicando a minha situação enquanto deficiente visual e enviar a todas as famílias que residem no nosso pequeno condomínio – Não chegamos a uma dezena de casas ao total. Nela, fiz uma descrição superficial da minha condição e pedi que sempre que me encontrassem que dissessem seus nomes, pois eu não os vejo todo dia e, portanto, suas vozes não me soam tão familiares assim.

Embora eu tenha descrito em somente um parágrafo (o anterior) que eu subitamente resolvi “abrir o jogo” para os meus vizinhos, escrever aquela mensagem para eles não foi uma tarefa fácil. Porém, se você acompanha as crônicas que publico por aqui, já sabe tudo o que penso sobre a necessidade e o alívio que é para um deficiente deixar muito bem claro a todos que nos cercam qual é a nossa real situação. Vale aqui a referência aos textos O dia que eu saí do armário e Uma barata chamada Kafka. Portanto, o que eu quero explorar aqui hoje não diz respeito exatamente a como eu lido com a minha deficiência perante o mundo, mas sim como o mundo lida como a minha deficiência.

Após eu ter comunicado aos meus vizinhos a minha situação, eu recebi várias mensagens de todos eles me dando apoio e agradecendo pela minha transparência para com eles. Um ou dois dias se passaram e, como o sol estava bem forte, eu resolvi aguar as plantas do pequeno jardim que tenho de frente à minha casa. Peguei a mangueira, conectei à torneira e comecei, com a habitual dificuldade, a molhar as belas plantas que foram escolhidas a dedo pela Marida. Eu nem sempre consigo ser preciso e certamente levo um pouco mais de tempo para efetuar essa tarefa; bem como acontece com muitas outras atividades do meu cotidiano, mas ao fim uso meus outros sentidos, tais como audição e tato, para encontrar o ponto certo para o qual apontar a mangueira e ter sucesso em concluir o que deve ser feito.

Quando eu estava já recolhendo a mangueira, um carro entrou na nossa pequena vila e logo parou bem em frente a mim. Escutei que o vidro se abaixou e uma mulher bem simpática me disse:

“Oi Weber, aqui é a Mary e o Daniel, tudo bem com você?”

“Tudo bem, e com vocês? Estavam passeando?” - falei eu já tentando puxar um assunto com meus vizinhos.

“Estávamos sim, mas está muito quente lá fora, então voltamos. As suas flores estão muito bonitas, vejo que vocês estão cuidando bem delas” – seguiu Mary.

“Ah, obrigado!” - agradeci.

Eles se despediram e seguiram seu caminho, enquanto eu terminava de recolher a mangueira e também entrar em casa com um sentimento muito bom dentro de mim, afinal, o que eu havia pedido aos meus vizinhos – que se apresentassem verbalmente quando me encontrassem – havia sido prontamente atendido pelo Daniel e pela Mary. Além disso, não senti nenhum tipo de mudança no jeito que falavam comigo, ou seja, seguiam sendo muito cordiais no tratamento comigo.

Aquele momento de empatia deles me deixou muito feliz e então comecei a refletir que, apesar da vida estar sendo cada dia mais difícil e de os desafios não me darem trégua e as frustações serem constantes, eu consigo sim contar com pequenos atos de solidariedade que, para ser bem sincero, não custam muito, mas que para mim fazem toda a diferença.

Obviamente é muito frustrante ficar perdido na frente da minha própria casa buscando um gigantesco objeto verde (a lata de lixo), mas saber que existem pessoas que se dispõem a vir até mim e oferecer alguma ajuda é realmente comovente e encorajador. Da mesma forma, eu acho muito belo vizinhos que deixam de lado algumas conveniências para repetidamente se apresentar a alguém que teoricamente deveria saber quem eles são.

Antes de concluir, é bom enfatizar que eu sei que nem todas as pessoas têm o mesmo cuidado, que existem aqueles que não conseguem ter o mínimo de empatia com o seu próximo, mas eu, de todo o meu coração, tendo a pensar que esses são minoria, e que nós somos sim humanos que, apesar de termos um egoísmo intrínseco na nossa natureza, o nosso sentimento de comunidade, amor e respeito aos nossos irmãos é brutalmente superior dentro dos nossos instintos. Portanto, por mais que nem todos os vizinhos aqui da minha pequena vila seguem sempre o que eu pedi, eu quero acreditar que é por pura distração e não que se tratam de pessoas más. Também eu entendo que nem todos vão ter o mesmo cuidado nos detalhes que o Eri teve naquele dia e que também vejo em outros amigos, seja de parar o carro no lugar certo, oferecer ombro quando achar que assim o necessito ou pré-anunciar o degrau que se aproxima. Afinal, tudo isso, mais do que empatia, exige um pouco de treino e disposição daquele que está comigo.

Por fim, ao ler este e outros textos que escrevo, você certamente consegue ter uma ideia de quão desafiador cada pequena atividade do meu dia a dia pode ser. E isso não é culpa de ninguém, nem minha, nem sua e nem de ninguém. Por isso, mais uma vez gostaria de agradecer a você que, com pequenos gestos e concessões, faz a vida ser um pouco menos dura. Aliás, o simples fato de você parar o que está fazendo e ler as minhas digressões por aqui já é um grande demonstrativo da sua empatia e solidariedade.

Obrigado!

 

Weber Amaral

Comentários

  1. Muito bom o texto, tio Binho! Tamo junto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu mano .. muito obrigado por tudo também .. um grande abraço

      Excluir
  2. Seus textos são ótimos, Binho! Não li todos mas chego lá rs Siga firme, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Karol, fiquei muito feliz ao ler o teu comentário aqui. Um grande abraço e tudo de bom pra você.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A arte de reaprender

O jogo fácil da vida

Tudo posso... posso?

Bom trabalho, amigo!

A intrusa