A intrusa

Ela chegou ao amanhecer
Sem que ao menos fosse convidada
A mesa não estava preparada
E nada havia para se comer

Ela nem sequer pediu licença
E por mim a todo tempo buscava
Enquanto lá fora o sol raiava
Aqui dentro a dor era intensa

Clamei a todos: homens, céus e mar
Não queria mais melancolia
Fiz de tudo para lhe expulsar
Mas, teimosa que era, insistia
E seguiu-me para todo lugar
Trazendo nuvens sombrias ao meio dia

Não pude encarar seus efeitos
Nem lidar com o desconforto
Preferiria eu estar morto?
Não! Nesta vida tudo dá-se um jeito

Logo tive que me acostumar
Com a vida, a tristeza, a dor
Pois eu sei que para onde eu for
Ela irá me acompanhar

Agora sobrou o meu cantinho
Aqui já quase entardeceu 
Então basta seguir meu caminho
E chorar pelo que se perdeu
Sei que nunca estarei sozinho
Pois desde a aurora, ela sou eu

  

Weber Amaral


  • Clique aqui para seguir o roteiro de leitura dos textos do Dislexia Visual sugerido pelo autor.

 

 

Comentários

  1. Linda poesia Binho, sempre surpreendendo. Pra fazer um samba com beleza tem que ter um pouco de tristeza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caaaaaaaaaara.. vc não tem noção .. eu tava cantarolando essa música enquanto postava este texto.. Abraços...

      Excluir
  2. Linda poesia irmão, inspirador, Deus o abençoe dia após dia com graça, força e alegria para que possa conduzir a vida de forna mais leve, amo você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por ler e apreciar meu querido. Um grande abraço

      Excluir
  3. Encantada, Binho, com sua veia poética. Abraço saudoso, Marilu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz por te lido e apreciado. Significa muito pra mim. Um grande beijo

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Expectativa versus realidade

Bom trabalho, amigo!

A arte de reaprender

Tudo posso... posso?