O som da metamorfose

 Há algumas semanas, assistimos ao filme O som do silêncio (Sound of metal). O longa-metragem conta, de uma forma muito particular e impressionante, a história de Ruben Stone, um baterista de uma banda de heavy metal que subitamente perde a audição. O personagem então passa por vários estágios durante e após a sua desagradável descoberta. O filme mostra várias cenas em primeira pessoa, o que faz a audiência sentir na pele as sensações angustiantes e extremamente desafiadoras de um deficiente auditivo. De certa forma, a principal mensagem que o filme transmite é algo que já conversamos por aqui, ou seja, que a deficiência não é algo a ser “consertado”.

Independentemente de este assunto me ser muito relevante, eu acredito que este tenha sido um dos melhores filmes que assisti nos últimos tempos, por isso, recomendo demais. Aliás, aproveito para deixar aqui o agradecimento aos amigos Hermano e Maurien pela indicação. Entretanto, como este não é um blog de críticas cinematográficas, vamos ao texto.

Embora o filme não faça qualquer referência ao livro A Metamorfose (pelo menos não que eu tenha notado), um grande paralelo pode ser traçado entre a clássica obra de Franz Kafka e a produção de Hollywood. Assim como o baterista, Gregor Samsa, um caixeiro viajante europeu do início do século XX, se vê repentinamente transformado em algo que a ele mesmo é repugnante e, como consequência disso, também passa pelas fases de negação e adaptação que citei acima.

Eu, honestamente, poderia analisar e divagar sobre muitos aspectos das duas obras por páginas e páginas, afinal, existem muitos detalhes interessantes que gostaria de explorar. Porém, vou deixar isso para uma mesa de bar pós pandemia e dizer que o que mais me impressionou tanto no livro quanto no filme é o fato de ambos personagens tentarem levar a vida como se nada houvesse acontecido. E não me refiro à negação do problema, mas sim ao fato de acharem que tudo poderia ser feito da mesma maneira de antes da metamorfose - ou da perda da audição.

Gregor Samsa, mesmo já estando no corpo de um enorme inseto (o livro não deixa explícito que se trata de uma barata), tenta caminhar da forma que estava acostumado antes da metamorfose, ou seja, como um animal bípede. Entretanto, ele sente fortes dores e suas frágeis perninhas mal conseguem lhe tirar do lugar. Somente após ser repreendido e quase apanhar de um membro da família, ele cai ao chão e fica com todas as patas no solo; este é o primeiro momento que ele se sente confortável em seu novo corpo.

Essa passagem fantástica narrada por Kafka tem uma semelhança absurda com a história do baterista Ruben Stone e como ele lida com a sua perda da audição. 

 


Conforme já contei várias vezes por aqui, lido com a minha baixa visão desde meus seis anos de idade, e a cada dia dessas últimas décadas, meus olhos se comportam de forma diferente. Ou seja, não posso dizer que a minha perda visual aconteceu repentinamente, como as obras acima ilustram.

No entanto, durante toda a minha vida, eu sempre passei por marcos importantes que me obrigaram a reinventar novas formas de seguir fazendo as mesmas coisas; sejam casos mais simples, como começar a usar uma fonte maior no celular ou no computador, ou perdas mais significativas e abruptas, tais como ter que reaprender a caminhar no meio de uma multidão após perder a visão do olho direito - o que reduziu o meu campo visual pela metade.

Outro forte exemplo que posso citar é o curso de Orientação e Mobilidade (O&M) que venho fazendo há alguns meses. Nele, mais do que aprender técnicas de como operar a Filomena e a Severina, eu descubro formas de encarar os novos desafios da minha atual situação. Ou seja, é um constante aprendizado e, consequentemente, uma mudança de perspectiva de vida.

Eu sei que muitos vêem casos de deficientes de forma muito romantizada, ou seja, como exemplos de superação e resiliência (já conversamos sobre isso aqui). Mas, o fato é que esse processo de reinvenção é muito doloroso e nos custa muito (muito mesmo); aliás, esta é a parte mais frustrante de todas. No meu texto O dia que saí do armário, eu também dissertei sobre o quão importante é reconhecer o que está acontecendo e revelar isso a todos familiares, amigos e colegas, mas, além disso, é também muito importante saber que, apesar de ser o passo mais difícil, esse é apenas o início de todo o processo.

 

Após uma metamorfose tão grandiosa e significativa quanto a perda de qualidade de um sentido tão essencial, tudo precisa ser reconfigurado nas nossas vidas, e é aí que muita coisa começa a não mais fazer sentido.

Voltando ao exemplo do filme, Ruben Stone era um músico, vivia para este propósito e tocar bateria era tudo que ele sabia fazer bem na vida. Porém, repentinamente, a sua maior (e única) ocupação deixa totalmente de fazer sentido, e ele se vê, então, perdido e, ao mesmo tempo, aprisionado no seu próprio destino.

Trazendo novamente para a minha própria vida, a cada crise que passo há uma nova lista de coisas que simplesmente deixam de fazer sentido, isto é, eu preciso aprender como fazer certas atividades de um modo totalmente diferente, ou simplesmente, não fazer mais. E não há como escapar disso, pois abrange minha vida pessoal, social e profissional.

Enfim, qualquer mudança que acontece conosco pode ser muito traumática e custar muito esforço, dedicação, perseverança e, por que não dizer, fé para traçarmos os nossos novos caminhos; e, com certeza, contar com a ajuda de familiares, amigos e de profissionais é de extrema importância. No entanto, é essencial relembrar que não existe nenhuma cartilha a ser seguida e nem um passo a passo pré-estabelecido para nenhuma das muitas situações que eu venho contando por aqui. 

Por tudo isso, o único conselho que posso (e quero) compartilhar é: tenha paciência.

 

Weber Amaral

 

 Notas:

  • Caso você tenha se inscrito neste blog e não esteja recebendo os textos em seu e-mail, verifique se você ativou a inscrição. Para tanto, vá em sua caixa de entrada e procure por "Dislexia Visual", e execute os passos lá descritos e os próximos textos serão entregues a você sempre que publicados. 
  • Clique aqui para seguir o roteiro de leitura dos textos do Dislexia Visual sugerido pelo autor.

Comentários

  1. Parabéns Binho! Cada texto mais bonito q o outro! ❤️

    ResponderExcluir
  2. Muito bom paralelo entre as duas obras. E o texto é tão bom quanto as referências citadas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa.. eu lembro que um outro texto, vc falou que eu melhor que o José de Alencar. Agora eu estou do mesmo nível do Kafka... hahhaha... acho q vc tá querendo é me agradar mesmo.. hehe.. abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A arte de reaprender

O jogo fácil da vida

Tudo posso... posso?

Bom trabalho, amigo!

A intrusa